terça-feira, 27 de outubro de 2009

Marley e Eu (John Grogan)


A verdade é que eu não sou o tipo de pessoa que gosta de histórias com bichos. Não adianta, não me apaixono por bichos nem em livros nem em filmes, exceto em se tratando de animação.
Mesmo assim resolvi ler Merley e Eu (John Grogan). Em parte para saber o que levou tanta gente a ler essa obra, também para avaliar a adaptação quando for conferir o filme e, por fim, porque muitas pessoas próximas gostaram muito, mas não adianta, nada mudou. Não faz o meu estilo.
A linguagem é simples e não oferece dificuldades. O livro conta a história verídica do amor entre a família Grogan e o seu labrador de estimação, Marley. Em especial, a relação entre o cão e o patriarca da família e autor do livro, John.
O enredo segue a ordem cronológica dos fatos e abrange todo o mecanismo familiar de John e sua esposa. Vai desde o início do casamento, quando só eram os dois, até as mudanças que um número maior de pessoas acarreta.
Além de abordar características dos labradores e de narra fatos bizarros que acontecem envolvendo o cão peculiar com problemas para seguir ordens do título, o autor procura traçar um paralelo entre a relação cachorro – dono e a relação entre pessoas. O que acontece de maneira mais intensa na reta final da história quando o autor deixa a simples narração em segundo plano para traçar esses tais paralelos e pensar as relações humanas.
Um livro como esse funciona melhor para os apaixonados pelos animais, particularmente os cães e principalmente para os que se identificam com as loucuras de Marley. Para mim não é tão interessante. Passa o tempo, mas não me diz muita coisa.

Ah! O segredo para conseguir realizar uma leitura que não seja fragmentada mesmo quando não há tempo é escolher um livro simples que não exija esforço algum. Bom, funcionou nesse caso, mas não vale muito a pena.

Próximo passo? Assistir ao filme.

Agora? Ayo.

* Uma última observação: que capa é essa? Tudo bem que não se deve escolher/julgar um livro pela capa, mas ajuda, né? Ainda mais em se tratando de uma obra de sucesso internacional. Realmente acho mal cuidada e mal realizada. Só para constar.

6 comentários:

Juhh... disse...

Eu não sou muuuito chegada em filmes de animais, pelo contrario eu achoo um saco!
Mais no casa desse Marley e Eu, eu gosteii do filme, acheii muito beem produzidoo, NÃO AMOO o filme mais adoreii a historia...
Confesso que acabei chorando no final =(
beeijos

' isaa * disse...

aah, é muito triste !
chorei demais.
:/
beijos !

HSLO disse...

Gostei demais do livro...e amo animais...tenho um cock spenel preto..lindo demais. O nome dele é Garry...tem a foto dele lá no meu blog veja lá depois.
Sabe eu também não gostava de animais, mas depois que meu irmão chegou com Garry aqui em casa minha vida mudou. Minha auto estima melhorou....sou uma outra pessoa. Acordo todos os dias com seu carinho...
É maravilhosa nossa relação...é como se fosse uma criança sabe.


abraços

Hugo

Andrei Vinicius Morais disse...

EU assisti o filme, mas nem li o livro. Sempre tive vontade de comprar, mas optava por outro RS.

Paulinha disse...

Olá Natali,
Conheci seu blog através do blog Diários da Bicicleta. Assim como você, gosto muito de livros e filmes. Li e vi "Marley e Eu", mas não achei nada especial... A respeito de livros com animais, gosto muito de "Um leão chamado Christian".
Gosto do seu blog, e minha mãe também. Tenho um, o endereço é paulinha.akkari.zip.net. Aliás, meu último post foi sobre o livro do leão.....
Gostaria de saber sua opinião sobre o filme "Deixa ela Entar"... Você assistiu? (Também uma das últimas postagens...)
Se tiver tempo, me visite!!!
Paulinha

Bruna Maéli disse...

Eu também não gosto de filmes de animais, tem sempre cara de sessão da tarde rsrsrs. Mas Marley e Eu eu assisti e gostei. O livro deve ser melhorainda, mas não sou muito ligada em ler histórias já assistidas...