quarta-feira, 30 de junho de 2010

Medo


Sentia-se como uma criança sem rumo. Sem defesas e sem coragem.
Sentia-se assustadoramente acuada.
Era como se chovesse muito e ela estivesse lutando sozinha contra a chuva e o vento.
Como se o guarda-chuva vermelho não fosse suficiente contra tanta dor.
Era como se quisesse tentar, mas não conseguisse.
Como lutar contra o que não se entende?
Como ir de encontro ao que existe de mais assustador?
Como lutar contra você mesmo?


Natali Assunção.


Agora? Vanessa da Mata.

Lembrei de Lenine, "medo do medo que dá".

Um comentário:

Fabiana disse...

OBRIGADA QUERIDA. ESSE TEXTO MOSTRA CLARAMENTE QUE TUDO QUE SOMOS E TEMOS ATE MESMO NOSSO MEDO,SO PODE SER VENCIDO EM DEUS FLOR,POIS NADA TEMOS E SOMOS SEM ELE.QUE DEUS DERRAME GRAÇA SOBRE SEU CORAÇAO,E DE TODA SUA FAMILIA E QUE VOCE BUSQUE NO AMOR E GRAÇA DO SENHOR VENCER TAMBEM TODOS OS SEUS MEDOS.UM BEIJO EM SEU CORAÇAO!!