segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Folhas de Limoeiro



Para Berê

"Esse cheiro... Tão característico, tantas recordações. Dias de sol, tardes quentes. A chuva molhando os galhos e as folhas. Os pingos batendo em minha janela e eu sempre hipnotizada por toda aquela sinfonia de sons e cores.

Há quantos anos isso? Nem me lembro. Melhor não calcular datas ou tentar recordar exatamente, isso tiraria todo o encanto.

Lembro-me bem, eu sentada aos pés da árvore, lendo aquelas palavras que me faziam rir e também chorar. Palavras que me ajudavam a criar momentos, a inventar lugares, a pensar pessoas. Ou seriam personagens? Mas se viveram comigo, estiveram ao meu lado e fizeram parte de mim e da minha vida sob tantos aspectos não poderiam ser meros personagens. Foram fruto da minha imaginação, sim, com auxilio dos grandes mestres das letras, sim, mas existiram comigo e disso não posso esquecer. Nunca os esqueci.

Ficava lá. Sentada sob sua sombra, pensando na vida. Nos meus poucos, mas experientes anos. Em tudo aquilo que, até então, me parecia ter uma tremenda importância. Eu acreditava que toda a minha vida dependia daqueles dias na escola ou brincando na rua com meus amigos. Lembro-me bem.

Esse cheiro que me traz à memória também os dias tristes. Quando minha mãe brigava comigo e gritava porque eu não tinha arrumado a cama, ou porque não tinha feito o dever de casa. Mas eu sempre podia recorrer à minha sombra. Ao meu cantinho ao pé da árvore. E nada nem ninguém me alcançaria lá. Eu sabia que podia ficar lá o dia inteiro, fazendo nada, sentindo aquele cheiro.

Noutros dias, por nenhuma razão especial, eu escolhia ficar lá sozinha ao invés de brincar com as outras crianças. Não era sempre, mas às vezes acontecia. Gostava de me deitar e olhar as nuvens. Eventualmente eu tinha sorte e via até um arco-íris. Gostava disso.

Amassava as folhas em minhas mãos e sentia esse cheiro. Ao pé da árvore, sob a minha sombra. Hoje, tantos anos depois, amassando essas mesmas folhas sinto tudo isso e recordo tantos momentos, mas já não sou mais a mesma menina."

Natali Assunção.

Texto também no www.blogdaberenice.blogspot.com

4 comentários:

Berenice disse...

delícia reler esse texto! posso sentir o cheirinho da folha amassada nos dedos.

obrigada por esse texto lindo :))

bjo
berê

flávia disse...

Que texto lindinho; eu que semprei achei que só eu adorava esse cheiro,até hj eu quando pego uma folha,amasso e cheiro,
bjus

Ultramegapop disse...

lindo amiga
tava inspirada viu?

:**
te amo

Alexandre da Fonseca disse...

BOA NOITE...LINDO TEXTO,SUCESSO E MUITA PAZ...BJS