segunda-feira, 8 de agosto de 2011

...Perder-se é um achar-se...



Lendo A Paixão segundo G.H. (Clarice Lispector). Perdendo-me e achando-me por entre as páginas e as palavras. De lá:

“Lembrei-me de mim mesma andando pelas ruas ao saber que faria o aborto, doutor, eu que de filho só conhecia e só conheceria que ia fazer um aborto. Mas eu pelo menos estava conhecendo a gravidez. Pelas ruas sentia dentro de mim o filho que ainda não se mexia, enquanto parava olhando nas vitrines os manequins de cera sorridentes.”(Pág. 90)

“Não me abandones nesta hora, não me deixes tomar sozinha esta decisão já tomada. Tive, sim, tive ainda o desejo de me refugiar na minha própria fragilidade e no argumento astucioso, embora verdadeiro, de que meus ombros eram os de uma mulher, fracos e finos. Sempre que eu havia precisado, eu me escusara com o argumento de ser mulher. Mas eu bem sabia que não é só mulher que tem medo de ver, qualquer um tem medo de ver o que é Deus.”(Pág. 96)

“Entre duas notas de música existe uma nota, entre dois fatos existe um fato, entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam existe um intervalo de espaço, existe um sentir que é entre o sentir – nos interstícios da matéria primordial está a linha de mistério e fogo que é a respiração do mundo, e a respiração contínua do mundo é aquilo que ouvimos e chamamos silêncio.”(Pág. 97)

“Perder-se é um achar-se perigoso”(Pág. 101)

Foto tirada por mim.

Agora? Adele.

Um comentário:

Diu Mota disse...

'E perda de tempo tentar completar Clarice...'E ela que empre nos completa, nos instiga, nos acorda.Bravo!

Bjs e uma 'otima semana