quinta-feira, 1 de julho de 2010

Olhar


O sol ameaçava aparecer por entre as diferentes tonalidades de azul daquela manhã que se insinuava. Camila, há poucos minutos, esticara-se lentamente por baixo das cobertas que a protegiam do dia que não queria encarar. Depois de alguns minutos de luta, levantou-se.

Diante do espelho pensava em seu olhar triste. Não sabia bem por que, mas sentia que levava sempre consigo essa carga de melancolia da qual não conseguia se separar. Sentia que seus olhos eram reflexos e também testemunhas dessa tristeza que mantinha dentro de si.

Saiu e, durante o costumeiro trajeto de mais uma manhã, encontrou-se com ele que se mostraria inusitado. Foi apenas um breve instante, apenas alguns segundos. Seus olhos encontraram os daquele a quem ela jamais veria novamente. Aquele que carregava tamanha dor. Aquele cujo sofrimento quase que podia ser tocado através do olhar.
Camila seguiu seu caminho. Jamais vira olhos tão tristes.

Natali Assunção

Agora? Norah Jones.

3 comentários:

Diu Mota disse...

Perceber o vasto mundo ao nosso lado é uam preciosidade. E um olhar, mais ainda.

inté

evandro mezadri disse...

Belo texto Natali, gostei de sua linguagem.
Um grande abraço e sucesso!

Arturo Meio Ambiente disse...

Gostei muito de tudo!