quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Uma Prova de Amor (My Sister's Keeper)


Uma Prova de Amor (My Sister's Keeper)
EUA/ 2009/ 109 min
Direção: Nick Cassavetes
Roteiro: Nick Cassavetes, Jeremy Leven, Jodi Picoult (livro)
Elenco: Sofia Vassilieva, Abigail Breslin, Cameron Diaz, Jason Patric, Evan Ellingson, Alec Baldwin, Joan Cusack, Heather Wahlquist

A verdade é que eu nem estava interessada em ver esse filme e que esperava que fosse bem ruim. O resultado final? Não é tão ruim como esperava, no entanto também não chega a ser realmente bom. Então, para quem conhece Diário de Uma Paixão, de Nick Cassavetes, a estrutura de Uma Prova de Amor, do mesmo diretor, não soa muito diferente. Só que dessa vez o foco do enredo não é uma história de amor entre homem e mulher, mas sim o drama e a relação de uma família.
Kate (Sofia Vassilieva) descobriu que tinha leucemia enquanto criança. Descobriu também nesse período que nem o pai, Brian (Jason Patric), nem a mãe Sara (Cameron Diaz) ou mesmo o irmão mais velho Jesse (Evan Ellingson) eram compatíveis com a ela. Para que esse quadro mudasse e Kate tivesse mais chances nessa vida o casal decidiu conceber uma criança em proveta, Ana (Abigail Breslin, Pequena Miss Sunshine) que passou a vida em função da irmã.
Embora o fantasma da doença de Kate ronde a família dia após dia e problemas sérios permanecem adormecidos ou intocados, todos se dão bem e, pelo menos na superfície, seguem felizes e em harmonia. Tudo continua desta forma até que Ana decide que o direito sobre o seu corpo é seu, que não está mais disposta a disponibilizar partes de si para a sua irmã e que quer ser notada por ela mesma. Embora Ana adore Kate ela quer ser amada por quem é e está cansada de estar sempre em segundo plano. A atitude da filha caçula muda a estrutura familiar e trás à tona problemas até então adormecidos.
O filme, embora clichê, é bem realizado e os atores estão muito bem em seus papéis. Em especial Cameron Diaz que não costuma apresentar atuações deste estilo. Sua apresentação de mãe dedicada e guerreira está muito bem construída. As duas garotas também são extremamente competentes e mantém bem o filme. Essas atuações contidas evitam que ele se torne ainda mais melodramático.
Pessoalmente não me encantei com a história e nem cheguei a me envolver muito, o que é ruim. Gostei, assim como já comentado, das atuações, mas achei tudo muito controlado e um tanto forçado. Refiro-me sentimentalmente e essa necessidade de comover não me convenceu. E olha que sou do tipo que chora e sofre e que adora drama. Dessa vez, no entanto, não funcionou.
No entanto a maneira como a morte e o conhecimento dela foi abordada é interessante, assim como outros conceitos apresentados nas entrelinhas, como a eutanásia, por exemplo. Razoável, mas na verdade prefiro Diário de uma Paixão.
Ah! O filme é baseado no livro homônimo (My Sister Keeping de Jodi Picoult) que não li, portanto não posso analisar a adaptação.

5 comentários:

Miguel Solano disse...

Coitado do gato, velho. =/

E quanto a esse filme, tenho aqui em casa há um tempão e nunca assisti.

flávia disse...

Eu tenho que assistir esse filme,todo mundo que vê,se emociona, e se apaixona...
bjs,

seu gordo disse...

vou dar um pitaco ! vou ver esse filme essa semana assisti um filme sete vidas com will smiht gostei demais passer a ver algumas coissas diferentes uma delas e a doaçao de orgaos um otimo final de semana pra vc

Beolina disse...

quero ver esse filme! eu gosto da cameron diaz fazendo drama desde "coisas que você pode dizer só de olhar para ela", apesar de ter passado todas as cenas em que ela aparece esperando que a qq momento ela saisse rebolando por aí =P

Fabiana Fernandes disse...

Olha, eu assisti esse filme ontem e gostei muito. É interessante porque mostra um lado diferente do drama de quem tem câncer. Principalmente por enfatizar como cada membro da família se sente com o sofrimento do doente. Cameron Diaz está com menos glamour, monstrando que não é só um rostinho bonito. O marido dela, interpretado pelo Jason Patrick está meio "apagadinho", mas compensa nas cenas com a filha, onde fala só com um simples olhar... A interpretação de Alec Baldwin como o advogado da menina também emociona. Joan Cusak está ótima num papel mais dramático! VALE A PENA CONFERIR!