quinta-feira, 14 de maio de 2009

Duas Cores (Mombojó)


Agora eu sei o que quero enxergar
Esse colorido não devia mais me enganar
Porque a cor deforma
Quando a luz vem a brilhar
E assim seu olho, começo a decifrar

Dai-me outra cor
Que não seja a do seu olhar
Dai-me outro amor
Que venha pra me perpetuar
Dai-me outra cor
Que não tenha o que eu quero enxergar
Dai-me uma dor que sirva para eu acordar
Dai-me outra cor
Dai-me o amor
Dai-me uma dor

Pelas esquinas que eu andei
Nenhuma delas te encontrar
Mas eu tô sempre por aqui
Quando quiser é só chamar
Andando reto sem destino
Vivendo sempre do passado
Não quero mais me desmentir
Eu não vou mais te procurar(2X)

2 comentários:

dalailam disse...

Esse bem que poderia ser o nosso lema:Traformar conceitos,misturar tendêncis e triturar preconceitos.Parabéns pelo blog e nos ajude no topblog,precisamos do seu voto para divulgação das nossas ideias.Um abraço fraterno e muita paz.

Lis disse...

Que graça esses versos, adorei, gostei muito da ilustração também. Amei seu blog e voltarei mais vezes, beijoks da Lis