domingo, 22 de março de 2009

O Menino do Piajama Listrado (O Filme)


O Menino do Pijama Listrado (The Boy in the Striped Pijamas)
EUA / Reino Unido, 2008 - 95 min
Direção: Mark Herman
Roteiro: Mark Herman
Elenco: Asa Butterfield, Zac Mattoon O'Brien, Domonkos Németh, Henry Kingsmill, David Thewlis, Vera Farmiga, Jack Scanlon.


Adaptação do livro homônimo de John Boyne, O Menino do Pijama Listrado conta uma história de amizade e inocência. Bruno, um garoto de nove anos, filho de um oficial nazista, precisa deixar a sua casa em Berlim e se mudar com a família, composta por ele, pelo pai, pela mãe e por sua irmã por causa das atribuições e da promoção do patriarca da família.

A história se passa na Alemanha em plena Segunda Guerra Mundial e Bruno não faz idéia do que está acontecendo. Ele acompanha tudo com uma visão muito peculiar, atribuindo conceitos e teorias próprias para tudo que o cerca.

Ao se mudar, o garoto se vê longe dos amigos e sem muitas oportunidades de fazer novas amizades. Então os dias na nova casa são de puro tédio, principalmente porque ele está impossibilitado, ou melhor, proibido de fazer o que mais gosta: explorar. Até que decide sair escondido para conhecer melhor o lugar. Essa expedição o leva até a cerca de um campo de concentração. Lá, ele conhece um menino da idade dele, mas que está do outro lado da cerca. E é através desta cerca que os dois vão ficar amigos. Duas crianças sem muita idéia do que está acontecendo, mas que sofrem as conseqüências de tudo que as rodeiam. Duas crianças que, sem se importar com nada mais além da alegria de estarem juntas, vão se divertir e se doar como só dois amigos verdadeiros se doam.

O filme é sensível e extremamente contemplativo. A fotografia é muito boa e a trilha sonora é impecável. Além disso, Asa Butterfield (Bruno) é um fofo! Enquanto adaptação, O Menino do Pijama Listrado também foi feliz. A passagem para a tela grande não deixou nada no caminho. Algumas coisas foram suprimidas (como sempre é necessário) e alguns detalhes foram modificados (afinal de contas é uma adaptação, a visão de quem adapta também entra em cena), mas nenhum destes aspectos prejudicou o todo e, mesmo quem leu o livro, não sente falta de nada, embora o livro – como de costume – seja superior ao filme. Mas esse é um mal comum... Comparar o livro ao filme, uma batalha perdida.

Recomendo o filme e, principalmente, o livro – um dos melhores que li no ano passado.

Um comentário:

FRX disse...

ai num me agradou não arrisco assistir